Como ajudar adolescentes autistas a lidarem com suas emoções

Como ajudar adolescentes autistas a lidarem com suas emoções

Saiba como ajudar adolescentes autistas a lidarem com suas emoções

No artigo de hoje, iremos debater sobre um tema que é uma preocupação constante na vida de pais de crianças autistas que estejam deixando justamente a infância e avançando para a adolescência.

Nessa fase da vida, as emoções costumam ser um verdadeiro turbilhão e as alterações de humor tendem a serem frequentes. Mas como lidar com tudo isso no caso de um autista?

Como dito acima, é normal que na adolescência todas as pessoas tenham alterações no humor e também mudanças comportamentais que acontecem numa fase onde as descobertas da vida costumam ser as maiores.

Toda a pressão que ser um adolescente traz a vida do adolescente, pode acabar o sobrecarregando, principalmente aqueles que tenham algum grau do Espectro do Autismo (TEA).

Lidar com as próprias emoções e ainda com as emoções de pessoas que façam parte de seu convívio tende a ser um desafio e tanto na vida de autistas, não somente na adolescência, mas em toda a vida.

Como as emoções se tornam um verdadeiro turbilhão e deixam diversas dúvidas na cabeça destes jovens, muitos podem começar a apresentar uma tristeza excessiva, levando até mesmo a quadros depressivos.

É nestes casos que os pais e familiares precisam montar uma verdadeira rede de apoio para estes jovens autistas que precisam estar cercados por pessoas as quais confie muito, que irão estar ali, para ouvir os dilemas que ele esteja enfrentando.

Pode parecer algo simples, mas muitos pais não conversam com seus filhos para saber o que eles estejam sentindo, e se o fazem, muitos jovens acabam não se abrindo totalmente, o que acaba não solucionando a causa dessa tristeza citada.

E isso costuma ser comum em qualquer adolescente, seja ele autista ou não, é por isso também que é necessário incentivar que estes jovens autistas tenham um grupo de amigos da mesma faixa etária que podem se tornar aliados dos pais e familiares.

Esses amigos os quais o adolescente autista confie muito, podem se tornar seus ‘confessores’ e assim ouvir os dramas que estejam causando a tristeza nestes jovens e após ouvi-los, repassar tais informações para os pais que assim podem ajudar o jovem a tomar medidas que ajudaram o adolescente a vencer essa fase de tristeza que esteja vivenciando.

Claro que esse conselho de ‘usar’ amigos para saber os conflitos do jovem autista precisa ser usado com cautela, uma vez que o autista pode se sentir traído, ao se abrir com um amigo e ele relatar tudo que soube para seus pais.

É por isso, que caso isso seja colocado em prática, é preciso tomar providências com certa cautela para que assim o autista não desconfie que aquilo que relatou para seu amigo, acabou caindo nos ouvidos de seus pais.

Outra providência que se pode tomar, é buscar ajuda de profissionais da psicologia que sempre estão a postos para ouvir os dramas das pessoas, sejam elas quem forem.

A busca por um profissional da psicologia pode ser feita até mesmo pela rede pública do SUS, para isso, busque ajuda do fundo social de sua cidade que eles o ajudaram a achar um profissional que possa ouvir seu filho adolescente e ajuda-lo a ultrapassar aquilo que esteja o atormentando e o deixando triste.

No fim, o mais importante é tentar ser o mais próximo possível do adolescente e tentar faze-lo se sentir seguro e ter noção que seja qual for o problema que esteja o deixando pra baixo, vai passar e tudo ficará melhor!

FernandoAzevedo